RSS

Arquivo da categoria: Estudos Java

Trabalhos e projetos em java

Acessando o Bco Interbase/Firebird

Read the rest of this entry »

 
Deixe um comentário

Publicado por em 10/02/2010 em Estudos Java

 

Arvore Binária Java

    Read the rest of this entry »

     
    Deixe um comentário

    Publicado por em 01/12/2009 em Estudos Java

     

    Aprende-se a programar bem sabendo o que não se deve fazer

    Read the rest of this entry »

     
    Deixe um comentário

    Publicado por em 23/11/2009 em Estudos Java

     

    Fundamentos da POO “Programação Orientada a Objetos”

    A programação Orientada a Objetos e uma forma especial de programar o mais próximos de como expressaríamos em nossas vidas reais, de que outras programação.
    Com a POO temos de pensar em coisas de uma maneira mais simples, para que possamos programar em termos de objetos, propriedades, métodos, e outras coisas que passarei a vocês rapidamente para que possamos entender melhor e nos sentirmos mais a vontade a este tipo de programação.
    Motivação:
    Durante muito tempo os programadores se dedicaram a desenvolver aplicações muito parecidas que resolviam uma vez ou outra seus problemas. Para ver seus esforços de programadores como eu e vocês possam ser utilizados por outras pessoas foi criada a POO, uma série de normas de realizar as coisas de maneiras e possibilidades que outras pessoas possam utilizar adiantando seu trabalho, de maneira que qualquer outro programador possa reaproveitar seus códigos.
    A POO não é difícil, mas é uma maneira especial de pensar em programação, as vezes subjetiva do programador, embora podemos criar programas de formas diferentes, nem todas elas são as corretas, o difícil não é programar orientado a objetos e sim, programar bem, programar bem e importante pois podemos aproveitar todas as vantagens da POO.
    Como pensar em Objetos:
    Pensar em termos de objetos é muito parecido com a vida real, onde, por exemplo, pensaríamos em uma “pizza”, para criar um modelo de POO. Falaríamos que a pizza é o elemento principal que tem uma série de características, que poderiam ser tamanho, recheio ou pedaços, e outras funcionalidades que a acompanhariam como, refrigerante, talhares, pratos, copos, dentre outras que poderiam ser utilizadas.
    Então em um esquema de POO a pizza seria o objeto, e as propriedades seriam as características, como tamanho, recheio e os métodos seriam as funcionalidades associadas como refrigerantes, talhares…
    Por dar outro exemplo, vamos ver como faríamos um modelo em um esquema POO de uma fração, ou seja, essa estrutura matemática que tem um numerador e um denominador que divide ao numerador, por exemplo, 5/6.
    A fração será o objeto e terá duas propriedades, o numerador e o denominador. Logo, poderia ter vários métodos como simplificar, somar com outra fração ou número, subtrair com outra fração, etc.
    Estes objetos poderão ser utilizados nos programas, por exemplo, em um programa de matemáticas seria feito o uso de objetos fração e em um programa que providencie um restaurante, seria utilizado o uso de objeto pizza. Os programas Orientados a objetos utilizam muitos objetos para realizar as ações que se desejam realizar e eles mesmos também são objetos. O restaurante será o objeto que utilizara objetos pizza, macarronada, garçons, etc.
    Classe em POO:
    As classes são declarações de objetos, também se poderiam definir como abstrações de objetos. Definindo, objeto é a classe. Quando programamos um objeto e definimos suas características e métodos na verdade estamos programando uma classe. Nos exemplos anteriores na verdade falávamos de classes, Pizza e Fração, porque somente estivemos definindo, embora por alto suas formas.
    Métodos nas classes:
    Seriam as funcionalidades associadas aos objetos. Quando estivermos programando as classes as chamamos de métodos. Os métodos seriam como funções que estão associadas a um objeto.
    Objetos em POO:
    São exemplares apartir de uma classe qualquer, quando criamos um exemplar temos que especificar a classe a partir da qual se criara. Esta ação de criar um objeto a partir de uma classe se chama instance (que significa em inglês exemplificar). Por exemplo, um objetivo da classe fração, por exemplo, 5/6. a definição de fração seria a classe, mas quando já estávamos falando de uma fração em concreto 1/2, 5/1000 ou outra qualquer chamamos de objeto.
    Para criar um objeto temos de escrever a instrução especial que possa ser distinta dependendo da linguagem de programação que se empregue, mas será algo parecido a isto.
    minhaPizza = new Pizza()
    Com a palavra new especificamos que se tem que criar uma instance da classe que continua a seguir. Dentro dos parênteses poderíamos colocar parâmetros com os quais se inicia o objeto da classe pizza.
    Para acessar a um estado de um objeto para ver seu valor ou muda-lo se utiliza o operador ponto.
    minhaPizza.tamanho = grande
    O objeto é minhaPizza, logo colocamos o operador ponto e por ultimo o nome da propriedade a qual desejamos acessar. No exemplo estamos mudando o valor do estado da propriedade do objeto a grande com uma pequena atribuição.
    Mensagens em objetos:
    Uma mensagem em um objeto é a ação de efetuar uma chamada a um método. Por exemplo, quando dizemos a um objeto pizza qual seu tamanho, estamos lhe passando a mensagem “tamanho”.
    Para mandar mensagens aos objetos utilizaremos o operador ponto, seguido do método que desejamos utilizar.
    minhaPizza.tamanho()
    Neste exemplo, passamos a mensagem tamanho(). Deve-se colocar parênteses assim como com qualquer chamada a uma função, dentro iriam os parâmetros.
    O que foi visto neste pequeno tutorial foi somente uma referencia a POO, também existe mecanismos como herança e poliformismo que são umas das possibilidades mais potentes de POO.
    Que são conceitos avançados que custa explicar nas linhas deste pequeno tutorial, não deveremos esquecer que existem livros inteiros dedicados a POO e aqui somente pretendia dar uma idéia a algumas coisas para que se lembrem quando estiver diante delas nas linguagens de programação que deve conhecer um programador Java.

     
    Deixe um comentário

    Publicado por em 23/11/2009 em Estudos Java

     

    Criando uma conexão através do Driver ODBC

    import java.sql.*; 

    public class simpleConnection {  

    public static void main(String args[]) {  

    try {  

    //Registrando o driver:

                 Class.forName("sun.jdbc.odbc.JdbcOdbcDriver").newInstance();  

    //Estabelecendo a conexão através do ODBC criado no Painel de Controle:

                 Connection con = DriverManager.getConnection("jdbc:odbc:Inventory","",""); 

    //Criando um objeto Statement para enviar requisições SQL para o Banco de Dados

                 Statement stmt = con.createStatement(); 

    //Executando SQL:

                 stmt.execute("SELECT * FROM objects"); 

    //Adquirindo através de um objeto ResulSet, os registros retornados pela SQL:

                 ResultSet results = stmt.getResultSet(); 

    //Fechando a conexão:

                 con.close(); 

              } catch(Exception e) {  

                 System.out.println(e);  

              } 

           } 

        }

     
    Deixe um comentário

    Publicado por em 23/11/2009 em Estudos Java

     

    Conexão Java + Interbase

    import java.sql.*; 

    public class Bco { 

    public static void main(String args[]) { 

    System.out.println(“#testando acesso a banco de dado Interbase “); 

    Connection conn = null; 

    String teste = “SELECT NOME FROM TAB_CLI_001;”; 

    try { 

    Class.forName(“org.firebirdsql.jdbc.FBDriver”); 

    conn = 

    DriverManager.getConnection( 

    “jdbc:firebirdsql:ip_do_servidor/3050:/caminho_do_bco_de_dados.gdb”,  “SYSDBA”,  “masterkey”); 

    System.out.println(“Sucesso na conexão! Massacre! “); 

    Statement stm = conn.createStatement(); 

    ResultSet rs = stm.executeQuery(teste); 

    while (rs.next()) { 

    String linha = rs.getString(“NOME”); 

    System.out.println(“Cliente:” + linha); 

           } 

    System.out.println(“select realizado “); 

    } catch (ClassNotFoundException e) { 

    System.out.println(“excessao ClassNotFound…”); 

    e.printStackTrace(); 

    } catch (SQLException e) { 

    System.out.println(“SQL Exception… Erro dos Bravos”); 

    e.printStackTrace(); 

    } finally { 

    try { 

    conn.close(); 

    } catch (SQLException onConClose) { 

    System.out.println(“error on closing”); 

    onConClose.printStackTrace(); 

           } 

         } 

       } 

    }

     
    Deixe um comentário

    Publicado por em 23/11/2009 em Estudos Java

     

    Analisando Metadados com JDBC

    Introdução

    Neste Tutorial você aprenderá a recuperar metadados de seu banco de dados, tabelas e stored procedures. Mas, o que são metadados? Como o próprio nome diz, Metadados são informações sobre os seus dados. Pense em metadata como um reflection do seu banco de dados! Ex: Metadados de uma tabela são: nome das colunas, tipo de dados das colunas (VARCHAR, NUMBER), tamanho da coluna, proprietário da tabela,etc.

    Motivação

    Em algumas situações é necessário se recuperar esses metadados para construirmos nossas consultas dinamicamente, pois em uma grande base de dados algumas mudanças estruturais podem ocorrer com certa frequência. Alguns desenvolvedores constróem seus próprios frameworks utilizando as funcionalidades de recuperação de metadados do JDBC. Assim quando um Analista de Dados alterar o modelo relacional, acrescentando colunas ou alterando o tipo das mesmas, as suas aplicações não precisam sofrer manutenções. Existem três classes que nos permitem recuperar metadados a partir do Driver JDBC, no pacote java.sql:

  1. DatabaseMetaData
  2. ResultSetMetaData
  3. ParameterMetaData (nova, JDBC 3.0)

    A Classe DatabaseMetaData

    A classe DatabaseMetaData é recuperada através do objeto Connection e nos permitirá recuperar metadados sobre o banco de dados em uso, objetos do banco de dados, informações sobre o Driver JDBC, privilégios de acesso, etc. Existem mais de 150 métodos disponíveis para esta classe. Vamos então verificar como utilizar a Classe DatabaseMetaData :

     

    1. package br.com.guj; 
    2.  
    3. import java.sql.*; 
    4.  
    5. public class Exemplo1 { 
    6. public static void main(String[] args) throws SQLException { 
    7. // registrar o Driver JDBC do banco de dados, neste caso estou usando o da Oracle
    8.         DriverManager.registerDriver(new oracle.jdbc.driver.OracleDriver()); 
    9.  
    10. // String de conexao para uma base Oracle
    11.         Connection conn = DriverManager.getConnection("jdbc:oracle:thin:@127.0.0.1:1521:orcl","scott","tiger"); 
    12.  
    13. // recuperar a classe  DatabaseMetadaData a partir da conexao criada
    14.         DatabaseMetaData dbmd = conn.getMetaData(); 
    15.  
    16.         System.out.println ( "Versao do Driver JDBC = "+ dbmd.getDriverVersion()); 
    17.         System.out.println ( "Versao do Banco de Dados = "+ dbmd.getDatabaseProductVersion()); 
    18.         System.out.println ( "Suporta Select for Update? = "+ dbmd.supportsSelectForUpdate());   
    19.         System.out.println ( "Suporta Transacoes? = "+ dbmd.supportsTransactions()); 
    20.  
    21. // retornar todos os schemas(usuarios) do Banco de Dados
    22.         ResultSet r2 = dbmd.getSchemas(); 
    23. while (r2.next()) { 
    24.             System.out.println("SCHEMA DO BD = " + r2.getString(1)); 
    25.         } 
    26.     } 

    package br.com.guj; import java.sql.*; public class Exemplo1 { public static void main(String[] args) throws SQLException { // registrar o Driver JDBC do banco de dados, neste caso estou usando o da Oracle DriverManager.registerDriver(new oracle.jdbc.driver.OracleDriver()); // String de conexao para uma base Oracle Connection conn = DriverManager.getConnection("jdbc:oracle:thin:@127.0.0.1:1521:orcl","scott","tiger"); // recuperar a classe DatabaseMetadaData a partir da conexao criada DatabaseMetaData dbmd = conn.getMetaData(); System.out.println ( "Versao do Driver JDBC = "+ dbmd.getDriverVersion()); System.out.println ( "Versao do Banco de Dados = "+ dbmd.getDatabaseProductVersion()); System.out.println ( "Suporta Select for Update? = "+ dbmd.supportsSelectForUpdate()); System.out.println ( "Suporta Transacoes? = "+ dbmd.supportsTransactions()); // retornar todos os schemas(usuarios) do Banco de Dados ResultSet r2 = dbmd.getSchemas(); while (r2.next()) { System.out.println("SCHEMA DO BD = " + r2.getString(1)); } } }

    A Classe ResultSetMetaData

    A outra Classe que pode ser utilizada para recuperar mais metadados é a ResultSetMetaData, com um objeto dessa classe você poderá dinamicamente recuperar a quantidade de colunas de uma tabela (não estou me referindo a registros ou linhas, e sim colunas), também poderá dinamicamente descobrir o nome da coluna, seu tipo, tamanho, entre outras informações. Neste próximo exemplo iremos utilizar a classe ResultSetMetaData para descobrirmos dinamicamente o total de colunas de uma tabela, o nome de suas colunas e o tipo das mesmas.

     

    1.   … 
    2. Statement stmt = conn.createStatement(); 
    3. // Tabela a ser analisada
    4. ResultSet rset = stmt.executeQuery("SELECT * from EMP "); 
    5.  
    6. ResultSetMetaData rsmd = rset.getMetaData(); 
    7.  
    8. // retorna o numero total de colunas
    9. int numColumns = rsmd.getColumnCount(); 
    10. System.out.println("Total de Colunas = " + numColumns); 
    11.  
    12. // loop para recuperar os metadados de cada coluna
    13. for (int i=0; i<numColumns; i++) { 
    14.     System.out.print("Nome da Coluna=" + rsmd.getColumnName (i + 1)); 
    15.     System.out.print(" Tipo=" + rsmd.getColumnType (i + 1) ); 
    16.     System.out.print(" Nome do Tipo=" + rsmd.getColumnTypeName (i + 1)); 
    17.     System.out.print(" Tamanho=" + rsmd.getColumnDisplaySize (i + 1)); 
    18.     System.out.println(" Casas Decimais=" + rsmd.getScale(i + 1)); 

    … Statement stmt = conn.createStatement(); // Tabela a ser analisada ResultSet rset = stmt.executeQuery("SELECT * from EMP "); ResultSetMetaData rsmd = rset.getMetaData(); // retorna o numero total de colunas int numColumns = rsmd.getColumnCount(); System.out.println("Total de Colunas = " + numColumns); // loop para recuperar os metadados de cada coluna for (int i=0; i<numColumns; i++) { System.out.print("Nome da Coluna=" + rsmd.getColumnName (i + 1)); System.out.print(" Tipo=" + rsmd.getColumnType (i + 1) ); System.out.print(" Nome do Tipo=" + rsmd.getColumnTypeName (i + 1)); System.out.print(" Tamanho=" + rsmd.getColumnDisplaySize (i + 1)); System.out.println(" Casas Decimais=" + rsmd.getScale(i + 1)); }
    Você ainda pode utilizar as classes PreparedStatement ou CallableStatement para uma instância ResultSetMetaData. Comprove no exemplo abaixo:

     

    1. … 
    2. PreparedStatement ps = conn.prepareStatement("SELECT * FROM EMP where EMPNO = ? "); 
    3. ps.setLong(1,1020L); 
    4.  
    5. ResultSetMetaData rsmd = ps.getMetaData(); 
    6.  
    7. // retorna o numero total de colunas
    8. int numColumns = rsmd.getColumnCount(); 
    9. System.out.println("Total de Colunas = " + numColumns); 

    … PreparedStatement ps = conn.prepareStatement("SELECT * FROM EMP where EMPNO = ? "); ps.setLong(1,1020L); ResultSetMetaData rsmd = ps.getMetaData(); // retorna o numero total de colunas int numColumns = rsmd.getColumnCount(); System.out.println("Total de Colunas = " + numColumns);

    A Classe ParameterMetaData

    Através da classe ParameterMetaData é possível recuperar metadados sobre os "parâmetros" de cláusulas SQL que usamos com a classe PreparedStatement. Assim poderemos descobrir dinamicamente a quantidade de parâmetros utilizados e suas características. Confiram no exemplo abaixo o uso da classe ParameterMetaData recuperando informações sobres os parâmetros "?" da clásula SQL.

     

    1. PreparedStatement pstmt = conn.prepareStatement("SELECT * FROM EMP WHERE EMPNO = ? AND DEPTNO = ?"); 
    2. ParameterMetaData pmd = pstmt.getParameterMetaData(); 
    3.  
    4. // recupera o total de parametros
    5. int totalParam = pmd.getParameterCount(); 
    6.  
    7. // recupera informacoes sobre cada parametro
    8. for (int i=0; i < totalParam; i++) { 
    9. int tipoParam = pmd.getParameterType(i+1); 
    10.     String nomeTipoParam = pmd.getParameterTypeName(i+1); 

    PreparedStatement pstmt = conn.prepareStatement("SELECT * FROM EMP WHERE EMPNO = ? AND DEPTNO = ?"); ParameterMetaData pmd = pstmt.getParameterMetaData(); // recupera o total de parametros int totalParam = pmd.getParameterCount(); // recupera informacoes sobre cada parametro for (int i=0; i < totalParam; i++) { int tipoParam = pmd.getParameterType(i+1); String nomeTipoParam = pmd.getParameterTypeName(i+1); }

    Resumo e conclusão

    Um objeto DatabaseMetaData é obtida através do objeto Connection e oferecerá recursos de recuperação de metadados da base de dados e da sua conexão atual, pode ser utilizada por exemplo para verificar quais os schemas(usuários) de uma base de dados, se a conexão atual possui suporte a um determinado nível de isolamente de transações, ou até mesmo qual a versão do Driver JDBC. Um objeto ResultSetMetaData pode ser obtida através de um ResultSet previamente criado ou através das classes PreparedStatement e CallableStatement, lhe possibilitando a recuperação de metadados sobre as colunas da cláusula SQL atual, como a quantidade de colunas, nome e tipos das mesmas. Um objeto ParameterMetaData é obtida através de um PreparedStatement, e permite que você possa recuperar metadados sobre os parâmetros usados em clausulas SQL. Com essas três classes é possível recuperar informações dinamicamente de uma base de dados. Alguns desenvolvedores utilizam constantemente essas três classes para criarem seu próprio framework de persistência de dados.

  4.  
    Deixe um comentário

    Publicado por em 23/11/2009 em Estudos Java